Cantora Bernadete – “A Tulipa Negra do Samba”

Renata Romano – São Paulo, 02 de Novembro de 2020.


Fonte: Acervo Próprio

Hoje na coluna o samba é delas, vou falar de uma grande cantora e intérprete do nosso samba paulista Maria Bernadete Raimundo, mais conhecida como Bernadete a Tulipa Negra do Samba, que tem 69 anos de idade e 47 anos de escola de samba e como cantora solo tem 30 anos. Achei incrível seu nome profissional, por que a tulipa é uma planta que produz florações, que se ergue em um caule aprumado, no qual desponta uma única flor constituída de seis pétalas em formato de lança, com mais de cem espécies, ou seja, uma joia rara.

Dona Bernadete é uma mulher negra, forte, com uma voz marcante, com uma humildade e simplicidade digna de uma diva, ela vê o samba nesse momento em sua vida, marcando o empoderamento feminino na música. Nascida no Tatuapé e criada na Lapa, Bernadete teve suas influências musicais através de seu pai que era violonista que convidava os amigos para encontros musicais de choro e samba em sua casa e ela diz que ele é o seu maior influenciador na música.

A cantora Bernadete tem o carnaval em sua vida, é uma das fundadoras e interpretes da escola de samba Império Lapeano, onde sua atuação foi tão emocionante que foi convidada pela diretoria da escola de samba Unidos do Peruche, a fazer parte da ala musical da escola e seu destaque foi imenso que foi convidada a ser interprete oficial da escola no lugar da cantora Eliana de Lima que também era interprete da escola, mas estava afastada naquele momento.

Sua vida carnavalesca, começou a fluir tão bem, que foi convidada pela escola de samba Barroca Zona Sul para ser a primeira mulher interprete da escola onde permaneceu durante 4 anos. Depois foi a escola de samba Império de Casa Verde que chamou a cantora Bernadete para ser também a primeira interprete mulher da escola.

Atualmente a cantora Bernadete faz parte da ala musical e também da ala de compositores da escola de samba Unidos do Peruche.

A dona Bernadete teve a oportunidade de gravar músicas para o disco da Band fm, como também participou de programas de rádios como: Transcontinental, Programa Samba & Swing, O Samba Pede Passagem do grande radialista Moisés da Rocha.

Participou de programas de televisão como: Raul Gil, Programa Mulheres, Ronnie Von, Programa do Ratinho, roda de samba do jornalista Chico Pinheiro entre outros.

Já participou de vários shows com artistas renomados da música popular brasileira, falo de Luiz Melodia, Benito de Paula, Wilson das Neves, Alceu Valença, Toninho Geraes, Carlinhos Brow e Martinho da Vila, entres outros.

A cantora realizou um de seus maiores sonhos, que foi gravar dois cds, intitulados como “Jogo da Vida“, interpretando composições de Marinheiro e Silva, Dhema e Itamaraka, Cleber Augusto, Laércio da Costa, Boca Nervosa.

Gravou se segundo cd intitulado como: “O Samba é Minha Verdade” que tem compositores da periferia de São Paulo tais como Rodrigo Schumacher, Rodrigo Viana, Nelson dos Santo seu pai (in memória) Delei Antonele, Miltinho da Vila, Fernando Bom Cabelo, Robert Giolo, Rodrigo Estabel e Juninho Boemia do Samba Todo Sábado é Sagrado, Beto Góis e Rogerio Papa, Fernanda Machado e Deolindo.

Nosso bate-papo:

Qual a sensação de ser a primeira mulher negra, interprete do carnaval de São Paulo?

Tivemos duas interpretes no Peruche dona Ivonete e Denise Camargo. Eu tive uma repercussão maior, por que meu destaque foi grande, por que eu fui a primeira mulher a pisar no Anhembi naquela época, pela escola Império Lapeano, que foi a primeira escola á inaugurar o sambódromo em 1991.

Com quem a senhora realizou o sonho de cantar pela primeira vez?

Foi com o cantor Luiz Melodia, desde a minha adolescência eu sempre quis ter o prazer de cantar com ele e eu realizei esse sonho. Eu estava em casa quando recebi uma ligação me convidando para a inauguração do Sesc Campo Limpo, para eu e mais 3 cantoras  paulistas cantar com ele, no caso eu Samanta Santos, Jurema Pessanha e a Tia Cida dos Terreiros. Eu fiquei muito honrada e feliz por viver aquele momento.

Qual o papel da família na sua carreira musical?

A minha família é o ar que eu respiro, eu infelizmente cortei um dobrado nas mãos de terceiros, aí com a maturidade eu percebi que seria necessário eu montar minha equipe. Meu filho hoje é meu produtor e meu esposo que me auxilia em tudo, por que eu tive a certeza de que com o auxilio da família você consegue crescer na sua carreira.

Se você não fosse cantora o que seria?

Cantora, (sorrisos) eu nasci pra cantar, eu já trabalhei muito na minha vida, então eu não me vejo fazendo outra coisa. Por que eu estou seguindo meu dom.

Deixe uma mensagem para as mulheres cantoras de samba?

Eu já passei por muitas dificuldades na minha vida, hoje sou cantora por que eu lutei, quero que vocês lutem, independente da sua profissão, quer ser locutora como a Renata? tem que batalhar, quer ser médica? batalhe também, por que tudo dará certo e vocês serão vitoriosas, o tempo ilumina as nossas vida. Então, eu desejo que todas vocês sejam felizes. Ninguém é feliz fazendo o que não gosta, lute pelo seu ideal.

Até á próxima, meus queridos leitores!

Contatos com a Colunista:
E-mail: renataromano@revistacavaco.com.br