Tia Cida dos Terreiros

Renata Romano – São Paulo, 12 de Junho de 2020.


Fonte: acervo próprio

Se tem uma coisa que jamais podemos nos esquecer é de sempre enaltecer nossas damas do samba que ajudaram a construir nosso samba paulista com muita luta e glória.

E hoje na minha coluna o Samba é Delas, tenho a honra de dizer pra vocês, que tive o prazer de estar com uma das mais gloriosas damas do nosso samba chamada Maria Aparecida da Silva Trajano, mãe, avó, bisavó, assistente social e matriarca do samba de São Matheus, mais conhecida como Tia Cida Dos Terreiros e chamada também carinhosamente de Rainha no qual ela faz jus á tal denominação.

Uma Mulher com um sorriso lindo, uma delicadeza nas palavras e uma voz marcante e doce de se ouvir. Quanta humildade em uma pessoa só. Gestos doces, palavras de sabedoria e muito carinho ao olhar, falar e principalmente cantar .

Percebi que os privilegiados de estar ao lado da Tia Cida são pessoas especiais, que ela bate o olho e se identifica logo de cara, por sua experiência de vida, ela tem o dom de perceber a energia das pessoas que á cercam.

Tia Cida, começou bem cedo nas rodas de sambas que tinham na casa da sua mãe, aos 5 anos de idade, cantando samba por influência de sua família. Hoje ela tem muito orgulho de ter criado seus 3 filhos: Carmem, Marcelo e Gil em rodas de samba, assim como foi sua infância, suas lembranças com carinho da sua casa na Vila Madalena, onde seus tios e seus primos faziam rodas de samba todo final de semana, foram anos de glória pra Tia Cida estar ao lado de pessoas animadas, bonitas, músicos, compositores, cantoras e cantores de samba.

Com menos de 10 anos, foi morar em São Matheus, aonde reside até hoje e criou seus filhos com muito louvor e com muita gratidão, por eles terem se tornados ótimos músicos. Ela fala também com carinho e satisfação em ver os meninos que frequentavam sua casa todos crianças e hoje são homens formados que se tornaram excelentes músicos do samba.

Hoje, por sua atuação cultural em São Matheus, é considerada uma “Personagem Central de Resgate e Renovação do Samba na periferia de São Paulo” Tia Cida tem o Samba no seu coração, ela ama uma boa roda de samba, mas não esquece de enfatizar que gosta de outros ritmos também, assim como rumba e um bom tango e principalmente ver ás pessoas dançando o tango.

Tia Cida entrou na faculdade após os seus 50 anos, conseguiu seu diploma de Assistente Social, sempre dando conta de sua família, seu trabalho e sua vida musical e vencendo sempre, mesmo diante de algumas dificuldades, mostrando para nós mulheres, que podemos e conseguimos sim, conquistar os nossos sonhos, ela é um exemplo disso. Adora ler livros, acha muito importante pra sua vida. Sua preferência é por livros espiritas, um deles que marcou sua vida, por que tem uma lembrança afetiva com a sua mãe, é o Livro Direito de Nascer, que se tornou também uma novela.

Um dos seus maiores cantores para ela foi e sempre será Wilson Simonal, no qual sente muita falta. Tia Cida, até hoje lamenta e sente falta também do cantor e compositor Almir Guineto e da grande Madrinha do Samba Beth Carvalho que lembra com muito carinho de ter convivido com eles e ter tido o privilégio de te-los em sua casa, fazendo um bom samba.

Seu primeiro CD foi gravado em 2013 no Sesc, chamado “Tia Cida” acompanhada sempre de seus músicos incríveis do Berço do Samba de São Matheus, que foi um lançamento muito emocionante para ela, por que todos os lugares do teatro estavam lotados, no qual ela não esperava, então foi uma experiência muito rica na sua vida e na sua carreira como uma cantora de samba.

Tia Cida, conta, que de repente quando viu, sua casa tinha samba todo final de semana, com seus filhos e amigos! Sua casa era considerada o reduto do samba, tanto sua casa como a da sua mãe, onde vários músicos, amigos dos meus filhos Tocão e Gil vinham participar das rodas como Beth Carvalho, Almir Guineto, Quinteto Branco e Preto e o Berço do Samba de São Matheus.

“Toda história da minha vida, valeu muito á pena, toda essa festa na nossa casa e o prazer que tenho hoje é maior ainda. Ver meus filhos fazerem parte dessa linda história do samba.”

Para Tia Cida ser sambista hoje é muito importante, por que nós fazemos parte da música popular brasileira e nosso samba é eterno. Nossos antigos compositores, cantoras e cantores, deixaram esse grande legado para todos nós. Mas sabemos que o samba teve altos e baixos e hoje nosso samba está em um momento maravilhoso da história.

Tia Cida tem a seguinte opinião sobre certas questões, uma delas é sobre a sobre a falta de união entre os sambistas. Ela me disse que sabemos que sempre existiu isso, mas estamos sempre caminhando na mesma luta, descobrindo novas cantoras, cantores e compositores que só vem para agregar ainda mais a nossa música, então precisamos parar de ser desunidos e nos juntarmos em prol da nossa cultura que é uma só. Tem espaço para todos.

“Eu me sinto muito feliz todos os dias, por que eu tenho saúde, tenho meus filhos, meus netos, meus bisnetos, amigos, eu agradeço a Deus por me permitir viver esse momento e manter minha mente sã pra tudo.”

Quero deixar aqui para vocês apreciarem sem moderação, os maravilhosos shows que eu assisti da Tia Cida, que são uma obra prima do nosso Samba: Ensaio da TV Cultura, Memória Negra do Samba Paulista, Berço do Samba de São Matheus, Samba em Rede e o Programa Sr.Brasil do grande apresentador Rolando Boldrin.

Muito obrigada Tia Cida pela maravilhosa recepção, muito obrigada á seus filhos Gil e Tocão e muito obrigada Yvison Pessoa.

Sucesso e Saúde Sempre Rainha Tia Cida.

Um grande beijo para vocês, até a próxima!

Contatos com a Colunista:
E-mail: renataromano@revistacavaco.com.br